My experience

In 2003, I’ve “declared war” to a sedentary lifestyle and started to exercise regularly. The main objective was to lose weight, but also to improve: well-being, vitality and relieve stress. A few months later, I found that I had lost volume but not weight. To lose weight we need to change the way we eat. However, and despite the aches and muscle injuries, I’ve continued to work out regularly at least 3 times a week, because my headaches lessened, the good humour increased and my subjective well-being improved. Two days without exercise and my body asks me to move … and we need to listen to our body. Extrinsic motivation helped: the colleagues with whom I’ve exercised regularly offered me company, shared experiences and personal challenges, feelings of best performance and job satisfaction and talked about the benefits of regular exercise for physical and mental health. The contact with Nature also cheered me up and took me out of my routine, transporting me to a more conscious and harmonious dimension.

Relationship between Physical Exercise and the Meaning in Life. Suggestion? Or evidence?

Personally, I think that the benefit of physical exercise far outweigh the difficulties, that’s why I practice regularly with great joy and satisfaction. But from a scientific point of view I was curious to know more. My final work of the EMAPP course in Lisbon was precisely on the subject of physical exercise and its impact on quality and meaning in life. The main question: “Does regular practice of physical exercise benefit human health? Should physical exercise be recommended as a promoter of quality and meaning in life? And, what is the contribution of physical exercise for personal development? Objective data was collected and crossed with psychological measures, such as subjective well-being. It was also collected qualitative data on participants’ personal experience and meaning in life.

Results

People who exercise regularly (2 or more times per week) are also the ones who exercise for a long time ago, showing also, better perceived health and greater vitality. Individuals with greater vitality show significantly better results in the meaning in life measures, flourishing, subjective well-being and personal growth. A higher perception of health, also indicates better results in measures previously influenced by vitality. The comparison between groups shows that the most active groups, in terms of physical exercise, have better results than the less active groups. The main motivations for physical exercise were: taking care of physical and mental health, feeling more active, controlling weight and relieving stress.

In short, practicing physical exercise 3 or more times a week, for 45 minutes or more per session, has a stimulatory effect on vitality and this, in turn, has a positive effect on the construction of meaning in life.

Suggestions

Viktor Frankl says “between stimulus and response there is a space, in that space is our power to choose our response, in our response lies our growth and our freedom.” We make choices at every moment. To choose the usual is easier than to choose something different. The different may be going out, take a walk on the beach or in the woods, take a bike ride or other activity that you could do to move your body, preferably that allowing you to enjoy and appreciate the good, the beautiful and also the awareness of how you feel when you leave home and how you feel when you come back. Accept the challenge and find out the difference!

About the author: Paulo Luis is a Psychologist, Family Therapist and Trainer. He is currently engaged in building resources that facilitates a positive learning, and also investigates the relationship between physical exercise and the meaning in life. http://positivegrowthproject.com

 

‘We Are The Positive Psychology People’

 

 

Exercício e Significado da Vida

A minha experiência

Em 2003, “declarei guerra” ao sedentarismo e comecei a fazer exercício físico regularmente. O objetivo principal: emagrecer, e os secundários melhorar: o bem-estar, a vitalidade e alívio do stress. Alguns meses depois, constatei que perdia volume mas não perdia peso. Perder peso exige modificação na alimentação. Contudo, e apesar das dores e lesões musculares, continuei a exercitar-me no mínimo 3 vezes por semana, dado que as dores de cabeça diminuíam, o humor e a boa disposição aumentavam e o bem-estar subjetivo também. Dois dias sem exercício e o corpo já pedia para mexer … e é preciso ouvir o corpo. Os estímulos extrínsecos ajudavam: colegas que faziam exercício regularmente ofereciam companhia, partilhavam experiências e desafios pessoais, falava-se sobre os benefícios do exercício ao nível da saúde física e mental, assim como, do melhor rendimento e satisfação no trabalho. O contato com a natureza dava outro ânimo ao dia e subtraia-me à rotina, transportando-me para uma dimensão mais consciente e harmoniosa.

Relação Exercício Físico e Sentido da Vida – uma sugestão? Ou uma evidência?

Pessoalmente, acho que os benefícios do exercício superam em muito as dificuldades, por isso, ainda hoje o faço com muita alegria e satisfação. Mas do ponto de vista científico ficava a curiosidade de saber mais. O meu trabalho final do EMAPP I de Lisboa foi precisamente sobre a temática do exercício físico e o seu impacto no sentido da vida. A questão principal: “será que praticar exercício físico regular traz benefícios para a Saúde? Deve este ser recomendado como promotor da qualidade de vida e do sentido da vida? Recolheram-se dados objetivos que foram cruzados com medidas da psicologia, como o bem-estar subjetivo e ainda dados qualitativos acerca da dimensão experiencial e sentido da vida.

Resultados

Quem faz exercício físico regular (2 ou mais vezes por semana) é também quem pratica exercício há mais tempo e quem simultaneamente manifesta melhor percepção de saúde e maior vitalidade. Os indivíduos com maior vitalidade apresentam resultados significativamente superiores nas medidas de significado da vida, florescimento, bem-estar subjetivo e crescimento pessoal. Melhor percepção de saúde pessoal indiciou também melhores resultados nas medidas anteriormente influenciadas pela vitalidade. Da comparação entre grupos constatou-se que os mais ativos, em termos de prática de exercício físico, têm resultados superiores aos menos ativos. As principais motivações enunciadas para praticar exercício físico regular são: cuidar da saúde física e mental, sentir-se mais ativo, controlar o peso e aliviar o stress.

Em síntese, o exercício físico regular praticado com uma frequência semanal igual ou superior a 3, durante 45 minutos ou mais por sessão tem um efeito estimulador da vitalidade e esta, um efeito positivo na construção do sentido da vida.

Sugestões

Viktor Frankl disse “entre o estímulo e a resposta existe um espaço, nesse espaço está a possibilidade de escolhermos a resposta, é na resposta que está o nosso crescimento e a nossa liberdade”. Em cada momento que passa fazemos escolhas. Escolher o habitual é mais fácil que escolher o diferente. O diferente poderá ser sair à rua, dar um passeio na praia ou no bosque, dar uma volta de bicicleta ou qualquer outra atividade que faça mexer o corpo de preferência que dê para apreciar o bom, o belo e o como estávamos quando saímos e o como estamos no regresso. Arrisque descobrir a diferença!

Paulo Luís é Psicólogo, Terapeuta Familiar e Formador. Dedica-se à construção de recursos pedagógicos facilitadores de aprendizagens positivas e estuda a relação entre exercício físico e a descoberta do sentido da vida. positivegrowthproject.com

 

‘We Are The Positive Psychology People’

Share This